Siga-me

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Kerygma: A Reforma Protestante e Missões

As Missões foram bastante impulsionadas pela Reforma protestante. João Calvino, por exemplo, enviou vários pastores para pregarem na França, na Inglaterra, na Suiça e até mesmo nas colônias recém-descobertas além do oceano. Calvino ensina que  “o Senhor ordena que os ministros do Evangelho vão para longe, com o objetivo de anunciar a doutrina da salvação em todas as partes do mundo” (Calvin's Commentaries, vol. 17, Harmonia de Mateus, Marcos e Lucas). Genebra foi um grande polo missionário, enviando plantadores de igreja em toda a Europa. Para se ter ideia em 1555 eram apenas 5 igrejas reformadas na França, em 1559 esse número saltou para 1000 igrejas pregando a doutrina da salvação, em 1561 mais de 140 missionários foram enviados de Genebra para a França, e em 1562 mais de 3 milhões de pessoas estavam ouvindo a Palavra de Deus. Calvino tinha um envio intencional e transcultural mostrando vigor missionário e evangelístico. Há uma colocação que diz que o calvinismo é contra missões pelo fato de pregar a predestinação, tal tese é descontextualizada. Calvino reiterava que Deus empregava a difusão do Evangelho pelos homens para levar pessoas à fé. “Embora Ele seja capaz de realizar a obra secreta de seu Santo Espírito sem quaisquer meios ou assistência, Ele também ordenou a pregação externa, para ser usada como um meio. Mas para torná-la um meio efetivo e frutífero, Ele escreve com seu próprio dedo em nossos corações aquelas palavras que ele fala em nossos ouvidos pela boca de um ser humano” Nas Institutas da Religião Cristã, diz: “Deus não pode ser invocado por ninguém, exceto por aqueles que conheceram sua misericórdia por meio do Evangelho” e como ouvirão se não há quem pregue? Certamente a Reforma Protestante foi um grande avivamento do ponto de vista missionário. O rompimento com a sacralidade e sacramentalismo da igreja católica deu lugar a uma fervorosa convicção no Sola Scriptura, Sola Fide ,e Sola Gratia com uma fiel pregação da Palavra sem necessidade de complementos, pregando somente Cristo para que todos os Povos só a Deus rendesse Glória. Com a Reforma, a Bíblia foi traduzida em línguas locais, com inspiração em John Wycliffe, Povos puderam começar a ser alcançados. A Reforma produziu homens como William Carrey e Jonathan Edwards, grupos como os Morávios, os Piestistas e os Puritanos. A Reforma abriu espaço para o Kerygma, ou seja, para o acesso ao Evangelho. Então por que não se fala tanto de Missões na Reforma? Porque Missões não era um “assunto”, Missões não era uma “seção” ou “departamento”, Missões não era uma “causa”. Missões era a vida da Igreja. Fazer Missões era tão natural quanto respirar. Que possamos refletir sobre espírito da Reforma e nos engajarmos mais em Missões.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Uma Igreja que respire Povos Não Alcançados

Como você conheceu o Evangelho? Certamente Deus levantou alguém em algum dia para lhe falar de Jesus. Como você foi confrontado com a realidade de um Deus que te ama a ponto de mandar seu próprio filho para despir-se de sua glória e viver como homem, sofrer em sua crucificação para remissão de nossos pecados e ressuscitar ao terceiro dia para expor sua glória e poder? Note que não estou perguntando “como você entrou para a igreja? ” E sim, COMO VOCÊ CONHECEU O EVANGELHO.
Acontece que no mundo hoje existem, segundo o Joshua Project, aproximadamente 7000 povos que nunca ouviram falar de Jesus, ou seja, mais de 3 bilhões de pessoas nessa situação! No Brasil, segundo o Joshua Project, há mais de 115 mil pessoas que sequer sabem que Jesus existe, isso sem contar os Surdos, os quilombolas, os ribeirinhos, os ciganos, os mais ricos e os mais pobres. Muitas dessas pessoas não têm a Bíblia em seu idioma, não têm a presença de igreja ou de missionários. São os Povos Não Alcançados.
Se o nosso coração não se aquece em ardor e amor por esses Povos, por essas pessoas, possivelmente não entendemos o valor e a importância do Evangelho. Um dia Jesus nos alcançou e hoje podemos adorá-Lo e glorificá-Lo livremente, mas há pessoas que não têm a mesma oportunidade. John Piper diz que ‘existe Missões porque não há adoração’. Onde não há adoração é necessário que haja a pregação do Evangelho. Isso é preocupar-se com a expansão global da glória de Deus, é dizer como o Salmista: Todo ser que respira, louve ao Senhor (Sl 150;6).
É necessário e urgente cumprir o IDE de Jesus. Ser homens e mulheres impactados pelo amor de Deus e que desejam ardentemente que mais pessoas sejam impactadas por esse amor! Precisamos orar constantemente pelos Povos Não Alcançados, pensar nos Povos Não Alcançados, dormir pensando nos Povos Não Alcançados, respirar Povos Não Alcançados! Não devemos nos conformar com o fato de que mais de 3 bilhões de pessoas não têm contato com o Evangelho, e mais de 115 mil só no nosso país! Não podemos ter apatia à essa realidade. Não podemos fingir que ela não existe. Não podemos nos fechar na nossa bolha da rotina, nas programações fechadas, nos isolar no nosso mundinho de fantasia e relações sociais, enquanto pessoas morrem sem saber que Jesus as ama e morreu na cruz por elas!!
A igreja não é um clube social, é uma agência do Reino de Deus, é o Povo de Deus reunido, o interesse da igreja deve ser proclamar a glória de Deus entre as nações, inclusive na nossa! Igreja vem do grego Ekklesia (Ek = fora, Kaleo = chamar) ou seja, igreja significa “chamados para os de fora”. Não é papel da igreja ser um repolho que cresce para dentro, mas a igreja deve pensar e agir para fora de seus muros. O cristão deve pensar para fora de seu próprio umbigo. Quando pensamos assim, vemos que tudo para dentro é secundário, que a igreja deve investir seu tempo e recurso para os de fora. Que a igreja e seus membros devem pensar, agir e orar em favor dos Povos Não Alcançados. Respirar Povos Não Alcançados!

Lucas Pinheiro

sábado, 24 de junho de 2017

Por que a apatia toma nosso coração?



Sim, existem milhares de Povos Não Alcançados. Existem milhares de pessoas que nunca ouviram falar de Jesus mundo afora. Existem pessoas que morrem sem ouvir falar de Jesus, sem dar glória a Deus. Porém, mais impressionante que esses fatos é a apatia de muitos cristãos à essa realidade. A Palavra de Deus deve ser pregada prioritariamente a esses povos, aos povos que não tiveram contato com Evangelho, acontece que muitas vezes nossas igrejas estão ensimesmadas. Mergulhadas em sua própria realidade, afundadas em suas próprias programações infrutíferas, crescendo pra dentro... (Crescer pra dentro é desenvolvimento ou inchaço?). Igrejas que se preocupam com sua própria estrutura física, mas não se preocupam em expandir o Reino de Deus, têm sua gestão financeira voltada a tantas coisas enquanto Missões é só uma porcentagem ínfima e protocolar pra fingir que se preocupa. Isso é resultado de uma apatia de quem entende que a igreja é um clube social, um lugar apenas para construir relacionamentos e consumir palavras que agradam, ou talvez a igreja seja um ponto de encontro pra lanchonete mais tarde. Mas o que essa apatia esconde é que a igreja é agenciadora do Reino, é o Corpo de Cristo, é o local onde Deus faz suscitar vocações, é o local a partir do qual Deus quer transformar a sociedade e o mundo através da pregação do Evangelho. Se não prega o Evangelho não é igreja. Se não faz missões não é igreja.
A apatia toma conta do nosso coração quando não temos uma vida de oração. Não é possível amar missões, se não oro por mais missionários. Impossível que o coração se aqueça de amor pelos Povos Não Alcançados se não tiver oração pessoal clamando por esses povos. Não tem como o coração se arder pela proclamação do Evangelho se não há oração íntima nesse sentido! Há apatia porque não há oração. Há apatia porque não há relacionamento com Deus. As vezes somos tão orgulhosos de ter uma liturgia, músicas e pregação cristocêntricas, mas temos um comportamento totalmente antropocêntrico. Ou seja, somos supostamente cristocêntricos em nossos cultos dominicais e totalmente antropocêntricos em nossa relação com Deus. Sem oração, sem meditação da Palavra,  sem pregar o Evangelho pra quem está próximo de nós, sem apoiar a pregação do Evangelho para Povos Não Alcançados, sem ter o coração voltado à Missão de Deus no mundo. Estamos muitas vezes apáticos. Cumprindo protocolos religiosos, sentando no banco da igreja sem perspectiva.
O que vai fazer nosso coração se aquecer é a intimidade com Ele adquirida através da oração e da meditação da Palavra.

Lucas Pinheiro

quinta-feira, 15 de junho de 2017

10 Reflexões sobre Igreja Local & Missões


1 - Não há missões sem Igreja Local.
2 - Não há Igreja Local sem missões
3 - Missões não é para aventureiros, é para quem entende que sua Vocação é nascida e amadurecida na Igreja Local.
4 - Missões pode ser emocionante, mas não romantizado.
5 - Se não for enviado por uma Igreja Local não é missionário, é um turista cristão.
6 - É dever da igreja Local formar os novos vocacionados. Lhes proporcionando o discipulado, os estudos teológicos e condições de exercer sua Vocação na Igreja Local.
7 - A Igreja Local deve enviar seus próprios membros para o campo. Do banco da igreja para o campo missionário.
8 - Quem não é bênção em sua própria cultura e contexto não será em contexto transcultural.
9 - A Igreja Local deve sustentar financeiramente missões ao redor do mundo.
10 - A Igreja Local deve pensar e colocar recursos em Missões. Se as contas e burocracia da igreja superam o orçamento para missões, há algo no mínimo questionável.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Esquerda ou direita, o que está certo?

Your Website Title
How to Share With Just Friends

How to share with just friends.

Posted by Facebook on Friday, December 5, 2014

Postagem em destaque

Estabelecendo a cultura cristã

Estabelecendo a  Cultura Cristã Existe uma passagem na Bíblia que gosto muito de ler, de refletir e de orar: “E não vos conformei...